PLANEJAMENTO: Reinvente o modelo clássico 4 P´s!

PLANEJAMENTO: Reinvente o modelo clássico 4 P´s!

Volume 3 Nº 5 (2018) REGEM mai 2018

ISSN 2763-8022 (International Standard Serial Number)

por Prof. MSc. Saulo Carvalho
*direitos reservados ©. Texto com liberdade de citação: CARVALHO, Saulo Henrique

Marketing:

O modelo clássico de Marketing 4 P´s (produto, ponto de venda, preço e promoção) apresentado por Jerome McCarthy nas décadas de 1960 e 1970 já não dá conta das estratégias e ações táticas necessárias para rentabilizar seu negócio.
Os profissionais de Administração, Marketing e Professores universitários precisam beber de novas fontes para entenderem que inovar e reinventar negócios atuando no modelo clássico, no mínimo, continuará a promover resultados antigos e antiquados em um cenário mercadológico totalmente diferente e exigente de novas abordagens. Em muitos casos, por razão da efervescência de determinados nichos, as ações baseadas no modelo sexagenário Marketing 2.0, farão da insistência na falta de atualização a melhor receita para o fracasso.

Entenda a evolução do Marketing:

MARKETING 1.0 – Estratégias e ações com foco apenas nos produtos. (até meados de 1945)
MARKETING 2.0 – Estratégias e ações com foco apenas nos produtos e no mercado concorrencial. (até meados de 1990)
MARKETING 3.0 – Estratégias e ações fundamentadas na essência do cliente e suas necessidades sociais, comportamentais e espirituais. Valorização do ambiental e do socialmente responsável. (anos 2000)
MARKETING 4.0 – Estratégias e ações fundamentadas na essência do cliente e suas necessidades sociais, comportamentais e espirituais somado a engenharia social, algoritmos, grande volume de dados tranformados em entendimentos úteis e práticos e omnichanel. ESG – mior ambiente, social e governança. (hoje)
CARVALHO, (2018). apud. KOTLER, (2010)
Alguns pontos básicos que precisam ser considerados:

Novo (e nem tão novo) consumidor: SUPERPROSUMER

O consumidor tem superpoderes. No Brasil, dois eventos são responsáveis de maneira gradual para a construção de um cenário onde quem manda é quem compra: O Código de Defesa do Consumidor em 1990 e a internet que, em 1995, deixa de estar somente ao alcance de empresas e universidades e chega de maneira mesmo que ainda inicial ao grande público consumidor. Em dez anos esses dois eventos mudaram radicalmente as relações de consumo em nosso país, ou seja, redefiniram a ordem de poder antes existente. Agora quem manda é o consumidor.
Somadas a esses fatores, mudanças no perfil social e econômico chancelaram de vez o novo perfil do consumidor. Em suma, agir como se nada tivesse ocorrido é desperdiçar tempo e dinheiro das empresas. Novas abordagens já são definitivamente necessárias.

Falta de atualização acadêmica e profissional

Muitos professores universitários e profissionais responsáveis pela gestão de empresas ainda se comportam como se os conhecimentos adquiridos não precisassem de constante atualização. Os administradores se ancoram no desconhecimento e distanciamento de técnicas modernas de gestão. Os professores, por sua vez, talvez por orgulho, arrogância ou incapacidade de compreensão, ignoram novas tendências e atualizações lançadas por autoridades acadêmicas no assunto.

Em 2010 Philip Kotler, considerado e de fato a maior autoridade em Administração de Marketing, lança o livro Marketing 3.0 – as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. O livro lança luz às novas necessidades dos consumidores e dos mercados apresentando técnicas e iniciando a necessidade de incorporação de mais 5 P´s (pessoas, processos, provas, public opinion e política) para dar conta dessa nova abordagem mercadológica. Ouço no mundo acadêmico a seguinte afirmação: “As técnicas dos demais P´s não são relevantes, pois são somente uma derivação dos 4 P´s.”

Essa afirmação é de um pensamento incrivelmente obtuso e impregnado de preguiça na busca por atualização e que não deveria ser, em absoluto, aceita em um ambiente responsável por educar profissionais qualificados.
Ela não consegue entender o fundamental que é exigido de um administrador: Gestão de pessoas! Portanto, esse pensamento obtuso já cai por terra ao constatarmos que as técnicas de endomarketing, motivação, treinamento, desenvolvimento de equipes e pesquisas de clima organizacional não tinham lugar nos 4 P´s de McCarthy.
O que afirmo aqui é: Não adianta criar estratégias sem saber se as mesmas servirão aos interesses do público-alvo e dos colaboradores da empresa. Aliás, o próprio Peter Drucker, considerado pai da administração moderna e falecido em 2005, sempre afirmou corretamente que estratégias não servirão para muita coisa caso a empresa não cumpra sua missão.

Henry Mintzberg

Considerado por boa parte do mundo acadêmico moderno o sucessor de Peter Drucker, o Prof. Mintzberg critica a estratégia como forma puramente teórica e sugere através de seu processo de treinamento CoachingOurselves que a formação de gestores deve ser baseada em práticas e reflexões em grupo. Entre diversas contribuições à administração moderna ele se posiciona claramente como defensor de um maior valor e técnicas direcionadas ao P de pessoas.

Harvard

A faculdade de administração de Harvard defende em um artigo publicado em 2015 na respeitada publicação Harvard Business Review, o que defendo há anos em salas e aula e nas consultorias que me contratam. O artigo defende que os 4 P´s de McCarthy devem ser reinventados a fim de atender melhores resultados em um cenário totalmente volátil, da seguinte forma:
Ao invés de:

Produto promova SOLUÇÃO

Ponto de venda promova ACESSO

Preço promova VALOR

Promoção promova EDUCAÇÃO

O modelo SAVE (que será alvo de um próximo artigo meu) é um claro direcionador para melhores resultados, pois admite, que valores pessoais quando devida e honestamente inseridos no DNA de serviços e produtos, levam a melhores e sustentáveis resultados de vendas, objetivo primário dos clássicos planejamentos de marketing.

 

Citação a CARVALHO, Saulo Henrique.

Professor Mestre Saulo Carvalho é Mestre em Gestão e Planejamento (UNITAU) stricto-sensu. Pós-Graduado em Comunicação e Marketing Empresarial (UMESP) lato-sensu, Graduado em Administração de Marketing (UMESP). Admitido em regime especial ao Doutorado sobre Pesquisa Operacional (ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica e Universidade Federal de São Paulo).

Consultor com atuações no Brasil e América Latina. Ministra disciplinas de Administração, Marketing, Pesquisa e Planejamento Estratégico aos cursos superiores de Administração, Marketing e Engenharia. É pesquisador sobre Gestão, Marketing e Ambiente Econômico. Desenvolve e aplica pesquisas científicas sobre Gestão e Marketing.

Lattes CNPq: http://lattes.cnpq.br/4888421957045803

LEIA OS TERMOS DE USO ©

 

REFERÊNCIAS:

CARVALHO, Saulo Henrique; SANTOS, M. J. . Consumo e empoderamento do consumidor. CICTED, v. 2018, p. 1, 2018.

HARVARD BUSINESS REVIEW BRASIL. Criação de Valor Compartilhado. Porter, Michael E.; Kramer, Mark R. 2011. Disponível em: http://hbrbr.uol.com.br/criacao-de-valor-compartilhado/. Acesso em 02 de maio de 2018.

KOTLER, Philip. KARTAJAYA, Hermawan. SETIAWAN, Iwan. Moving from Traditional to Digital. Marketing 4.0, amudança do tradicional para o digital.1° ed. Lisboa: Actual, 2017.

KOTLER, Philip. KARTAJAYA, Hermawan. SETIAWAN, Iwan. Marketing 3.0, as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano.1° ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

PORTILHO, Fátima. Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania. São Paulo: Cortez, 2005.


 

image_pdfDownload

 

Um comentário

  1. […] Entenda melhor o Marketing 9 P´s! LEIA O ARTIGO: PLANEJAMENTO, REINVENTE O MODELO CLÁSSICO 4 P´S […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1
online
Olá! Somos o atendimento iBlueMarketing®! Como podemos ajudar sua empresa ou negócio? (s)