Polímatas, Nexialistas e TDAH: ensaio sobre possível correlação e desafios no mercado de trabalho

Polímatas, Nexialistas e TDAH: ensaio sobre possível correlação e desafios no mercado de trabalho

Polímatas Nexialistas TDAH

Volume 35 Nº 2 (2024) REGEM jun 2024

ISSN 2763-8022 (International Standard Serial Number)

por Saulo Carvalho, MSc.
*direitos reservados ©. Texto com liberdade de citação: CARVALHO, S.

Sobre o autor: Mestrado em Gestão e Planejamento | Especialização em Comunicação Empresarial e Marketing. Atuações e consultorias em Gestão e Marketing no Brasil e América Latina.
Siga-me no LinkedIn

Polímatas, Nexialistas e TDAH: ensaio sobre possível correlação e desafios no mercado de trabalho

Liderança e desenvolvimento pessoal

No mercado de trabalho atual, há crescente valorização dos profissionais que possuem habilidades diversificadas e a capacidade de integrar conhecimentos de diferentes áreas. Dois termos que descrevem tais indivíduos são “polímata” e “nexialista”.

Embora ambos compartilhem a ideia de versatilidade e integração de conhecimentos, eles têm nuances distintas e histórias ricas. Irei explorar esses conceitos em detalhe.

Origens dos termos

Polímata

A palavra “polímata” deriva do grego antigo “polymathēs”, que significa “aquele que aprendeu muito”. Historicamente, polímatas são indivíduos que possuem conhecimentos profundos em várias disciplinas.

Este termo começou a ganhar popularidade durante o Renascimento, um período marcado pela redescoberta de textos antigos e pelo florescimento de múltiplas áreas do conhecimento. O polímata renascentista por excelência é Leonardo da Vinci, cuja expertise abrangeu artes, ciências, engenharia, anatomia, entre outras disciplinas.

Nexialista

O termo “nexialista” é menos conhecido e tem uma origem mais recente. Foi cunhado pelo autor de ficção científica A. E. van Vogt em seu romance “The Voyage of the Space Beagle” (1950).

Um nexialista é alguém que possui uma visão holística e a habilidade de conectar conhecimentos de diferentes campos para resolver problemas complexos. Enquanto um polímata é alguém que sabe muito sobre muitas coisas, um nexialista é alguém que sabe como essas coisas estão interligadas e pode aplicar esse conhecimento de maneira prática e inovadora.

Recorte pessoal

Polímatas e Nexialistas e TDAH

Para mim, e também para as pessoas próximas, sempre foi um desafio entender as motivações que me levavam a distrair-me. Não pôr atenção em muitas coisas, ser tímido e ao mesmo tempo irritantemente inquieto. Fazer perguntas que incomodavam e às vezes ofendiam as pessoas.

Era comum eu ouvir de adultos, professores, avós, tios e até dos meus pais que, se eu era um bom aluno, o fato de eu ser hiperativo e “bagunceiro” era safadeza minha. Ou ouvir que, se eu era assim, era porque com certeza eu não poderia ser um bom aluno na escola.

Todos diziam que eu era estranho. Minha avó, certa vez preocupada comigo e vendo que eu gostava muito de música, me deu de presente um bom rádio a pilha da marca National (hoje Panasonic). Foi meu deleite: merguhei no rádio e esqueci de vez o mundo!

Entre meus 14 e 15 anos, um médico que me atendia por rotina me disse que era um estudioso do que, na época, chamávamos de DDA (Transtorno do Déficit de Atenção), mas que hoje sabemos ser TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade).

O médico, à época, me afirmou que eu possuía todas as características dessa condição clínica.

O desafio era ainda maior porque sempre fui o melhor aluno da sala e até da escola toda, ou, em algumas poucas oportunidades, era um dos melhores. Portanto, como uma pessoa com déficit de atenção, consegue essa “proeza”?

No ano de 2003 tive o primeiro contato com o livro Mentes Inquietas de Ana Beatriz Barbosa Silva. Esta leitura foi reveladora para mim.

Hoje sabemos que clinicamente o TDAH é também acompanhado de uma capacidade absurda de hiperfoco. Para mim era fácil esquecer os paralelos e focar na leitura e ou escrita, mesmo que isso significasse não ouvir e não ver praticamente nada a minha volta. Um desafio importante para uma criança!

Mas comecei a melhor me entender com este livro de Ana Beatriz e com as portas da literatura científica que ele me abriu. Nesta época eu atuava como Diretor Nacional de Marketing e Vendas.

Com o autoconhecimento que as leituras técnicas sobre o TDAH me trouxeram eu descobri, já em idade adulta, que sem saber usei o TDAH em meu favor na escola e, na sequência, em ambientes profissionais. Mesmo às custas de enormes prejuízos.

A busca por entender as nuances do comportamento humano frequentemente nos leva a explorar como diferentes características e condições podem interagir.

Neste contexto, também me surge a pergunta: existe uma correlação entre polímatas, nexialistas e pessoas com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)?

Desafios no mercado de trabalho

Polímatas e Nexialistas e TDAH

Apesar dos benefícios óbvios de ter uma ampla gama de habilidades, os profissionais polímatas e nexialistas enfrentam vários desafios no mercado de trabalho.

Especialização versus. generalização

O mercado de trabalho tradicionalmente valoriza a especialização. Profissionais que se destacam em um campo específico são frequentemente preferidos para cargos que exigem habilidades técnicas profundas.

Isso pode fazer com que polímatas, que possuem um conhecimento mais diversificado, sejam vistos como “generalistas” sem a profundidade necessária em uma área específica.

Reconhecimento e valorização

Outro desafio é o reconhecimento e a valorização das habilidades integradoras. Muitas vezes, o impacto positivo de um polímata ou nexialista pode ser difícil de quantificar.

A contribuição desses profissionais para a inovação e resolução de problemas complexos pode não ser imediatamente aparente, tornando mais difícil para eles obterem o devido reconhecimento e remuneração.

Além disso, existe uma tendência, sobretudo na sociedade brasileira, das pessoas terem enorme necessidade de dar rótulos aos outros e isso também é muito forte em ambiente profissional.

Gerenciamento de carreira

Polímatas e nexialistas podem enfrentar dificuldades em gerenciar suas carreiras. Com interesses e habilidades em tantas áreas, pode ser difícil escolher um caminho claro e consistente. Eles podem se encontrar frequentemente mudando de área ou buscando novos desafios, o que pode ser visto negativamente em um currículo tradicional.

Nesse caso, o olhar aberto e atento das equipes de recrutamento e seleção é primordial para que grandes talentos que possam trazer importantes contribuições às empresas, não sejam desperdiçados logo na porta de entrada.

Benefícios dos Polímatas e Nexialistas

Polímatas e Nexialistas e TDAH

Inovação

Um dos maiores benefícios de ter polímatas e nexialistas em uma equipe é a capacidade de inovar. Eles são adeptos a fazer conexões entre disciplinas aparentemente não relacionadas, o que pode levar a soluções inovadoras e disruptivas. Por exemplo, a capacidade de Leonardo da Vinci de combinar arte e ciência resultou em invenções e obras de arte que nos inspiram até hoje.

Adaptabilidade

No ambiente concorrencial atual, a adaptabilidade é uma qualidade inestimável. Polímatas e nexialistas são naturalmente adaptáveis devido ao seu amplo conjunto de habilidades e conhecimentos. Eles são capazes de aprender rapidamente e se ajustar a novos desafios e tecnologias, tornando-os valiosos em um mercado de trabalho dinâmico.

Resolução de Problemas Complexos

Os problemas mais complexos frequentemente requerem uma abordagem multidisciplinar para serem resolvidos. Nexialistas, com sua habilidade de integrar diferentes áreas de conhecimento, estão especialmente equipados para abordar esses problemas de maneira eficaz. Eles podem ver o “quadro geral” e identificar soluções que outros, mais especializados, podem não perceber.

Visão Sistêmica

Polímatas e nexialistas possuem uma visão sistêmica que é crucial para a liderança e gestão. Eles são capazes de entender como diferentes partes de uma organização ou sistema interagem e afetam umas às outras, permitindo uma tomada de decisão mais informada e estratégica.

Os profissionais polímatas e nexialistas trazem um conjunto único de habilidades e perspectivas para o mercado de trabalho. Embora enfrentem desafios relacionados à especialização e reconhecimento, suas capacidades de inovação, adaptabilidade e resolução de problemas complexos são inestimáveis.

À medida que o mundo se torna mais interconectado e os problemas se tornam mais complexos, a demanda por esses profissionais versáteis e integradores provavelmente aumentará. Valorizar e promover a diversidade de habilidades e conhecimentos é fundamental para o sucesso das organizações no futuro.

Liderança   

Os líderes que são polímatas e nexialistas trazem uma abordagem única para a liderança, integrando conhecimentos de diversas áreas e aplicando uma visão abrangente para resolver problemas complexos e guiar suas equipes. Estas características são especialmente valiosas em um ambiente de negócios ávido, dinâmico e interconectado.

Benefícios para as organizações

Inovação contínua

Líderes polímatas e nexialistas promovem uma cultura de inovação contínua. Sua capacidade de conectar diferentes áreas de conhecimento e aplicar soluções inovadoras impulsiona a empresa para a frente, mantendo-a competitiva em um mercado global.

Melhoria da comunicação e colaboração

Esses líderes facilitam uma melhor comunicação e colaboração dentro da organização. Sua habilidade de traduzir e integrar conhecimentos de diversas disciplinas ajuda a criar um ambiente onde diferentes departamentos podem trabalhar juntos de forma mais eficiente e eficaz.

Tomada de decisão informada e baseada em dados

Com uma visão ampla e uma compreensão profunda de como diferentes áreas se interconectam, esses líderes são capazes de tomar decisões mais informadas e estratégicas. Eles consideram os impactos de longo prazo e as implicações sistêmicas, levando a uma gestão mais sustentável e bem-sucedida.

Desenvolvimento de talentos

Líderes polímatas e nexialistas também são excelentes mentores e desenvolvedores de talentos. Eles incentivam uma abordagem multidisciplinar ao aprendizado e desenvolvimento, inspirando suas equipes a expandir seus próprios conjuntos de habilidades e a pensar de maneira mais ampla.

Líderes polímatas e nexialistas trazem uma abordagem única e valiosa para a liderança. Suas habilidades de integração de conhecimentos, visão holística, capacidade de inovação e adaptabilidade são inestimáveis em um ambiente de negócios cada vez mais complexo e interconectado.

Ao valorizar e promover esses líderes, as organizações podem se posicionar para o sucesso contínuo, enfrentando desafios complexos de maneira eficaz e aproveitando novas oportunidades com criatividade e inovação.

Alguns potenciais polímatas e nexialistas famosos

Leonardo da Vinci

Leonardo é frequentemente citado como o exemplo mais icônico de um polímata. Suas contribuições para a arte, como “Mona Lisa” e “A Última Ceia”, são mundialmente conhecidas. Contudo, ele também fez avanços significativos em anatomia, engenharia, física, e botânica, demonstrando uma habilidade excepcional para integrar conhecimentos de várias disciplinas.

Benjamin Franklin

Outro polímata notável é Benjamin Franklin, um dos Pais Fundadores dos Estados Unidos. Franklin foi um estadista, inventor, cientista, escritor e diplomata. Suas invenções incluem o pára-raios, os óculos bifocais e a harmônica de vidro. Ele também fez contribuições importantes ao estudo da eletricidade.

Elon Musk

No contexto contemporâneo, Elon Musk pode ser visto como uma figura que possui características de polímata e nexialista. Musk é conhecido por sua capacidade de inovar em diversos campos, incluindo a indústria aeroespacial (SpaceX), automotiva (Tesla), energia solar (SolarCity) e mais recentemente, neurotecnologia (Neuralink) e transporte subterrâneo (The Boring Company).

Sua habilidade de integrar conhecimentos de engenharia, física e economia para resolver problemas complexos exemplifica a natureza de um nexialista.

Steve Jobs

Jobs é conhecido por sua habilidade de integrar tecnologia, design e negócios para criar produtos inovadores. Sua visão holística e capacidade de conectar diferentes disciplinas foram fundamentais para o sucesso da Apple.

Nikola Tesla

Tesla foi um engenheiro e inventor com um entendimento profundo de eletricidade e magnetismo, mecânica, e até mesmo princípios de comunicação sem fio. Sua habilidade de ver as interconexões entre diferentes áreas levou a inúmeras inovações, incluindo o desenvolvimento do sistema de corrente alternada.

Richard Feynman

Feynman foi um físico teórico que fez contribuições significativas à mecânica quântica e à eletrodinâmica quântica. Além de seu trabalho científico, ele era um excelente comunicador e educador, conhecido por sua capacidade de explicar conceitos complexos de maneira acessível.

Tim Berners-Lee

Berners-Lee é o inventor da World Wide Web. Sua habilidade de conectar conceitos de informática, redes de comunicação e hipermídia resultou em uma inovação que transformou a forma como a informação é compartilhada globalmente.

Polímatas, Nexialistas e TDAH: existe uma correlação?

Polímatas e Nexialistas e TDAH

Analiso essa questão sob diferentes perspectivas.

Polímatas

Como dito anteriormente, polímatas são indivíduos que possuem conhecimentos e habilidades em diversas áreas do saber. E têm facilidade para adquirí-las. Suas principais características incluem:

  1. Interesse diversificado: Polímatas têm uma curiosidade insaciável e se dedicam a aprender sobre múltiplas disciplinas.
  2. Aprendizado constante: Eles estão sempre buscando novas habilidades e conhecimentos.
  3. Interconexão de conhecimentos: São capazes de fazer conexões entre diferentes áreas e aplicar conhecimentos de uma para outra.

Nexialistas

Nexialistas, por outro lado, e também como já dito, são especialistas em integrar informações de diferentes campos e trabalhar de forma interdisciplinar. Suas características incluem:

  1. Integração de conhecimentos: Capacidade de combinar informações de várias disciplinas para resolver problemas complexos.
  2. Visão sistêmica: Habilidade de enxergar o todo e entender as interações entre diferentes partes de um sistema.
  3. Comunicação eficaz: Habilidade de comunicar ideias complexas de maneira clara e facilitar a colaboração interdisciplinar.

TDAH

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é uma condição neuropsiquiátrica caracterizada por sintomas como desatenção, hiperatividade e impulsividade. Pessoas com TDAH muitas vezes apresentam:

  1. Dificuldade em manter o foco: Tendem a se distrair facilmente e podem ter dificuldade em completar tarefas que consideram monótonas.
  2. Hiperfoco: Em contrapartida, podem exibir períodos intensos de concentração em atividades de grande interesse.
  3. Criatividade e pensamento divergente: Muitos indivíduos com TDAH têm uma grande capacidade criativa e pensam de maneira não linear.

Possíveis Correlações

  1. Interesse diversificado e hiperfoco: Polímatas e nexialistas podem compartilhar com pessoas com TDAH o traço do interesse diversificado. O hiperfoco, comum em indivíduos com TDAH, pode permitir períodos intensos de aprendizado em várias áreas, similar ao comportamento dos polímatas.
  2. Pensamento não linear e criatividade: A capacidade criativa e o pensamento divergente são características comuns entre pessoas com TDAH e podem ser vantajosos tanto para polímatas quanto para nexialistas, que frequentemente precisam fazer conexões inovadoras entre diferentes disciplinas.
  3. Desafios com a atenção: Enquanto a desatenção, algumas vezes provocada pelo hiperfoco, pode ser um desafio para pessoas com TDAH, polímatas e nexialistas também podem lutar contra a distração, especialmente quando precisam se concentrar em uma única tarefa ou disciplina por um longo período.

Análise contextual

Embora ainda não haja confirmação científica e universalmente aceita sobre uma correlação direta entre ser polímata e ou nexialista e ter TDAH, vislumbro que algumas características de TDAH podem, paradoxalmente, facilitar o desenvolvimento de habilidades típicas desses dois perfis.

A curiosidade incessante, a capacidade de hiperfoco e a criatividade são traços que podem ser encontrados em ambos os grupos, sugerindo uma possível interseção.

No entanto, é importante lembrar que cada indivíduo é único e que essas características podem se manifestar de maneiras diferentes em pessoas com ou sem TDAH. A chave está em autoconhecer, reconhecer e valorizar as forças e habilidades únicas que cada pessoa traz para o ambiente de trabalho e para a vida.

Como saber se você é Polímata e ou Nexialista

Você já se perguntou se possui as características de um polímata ou nexialista? Estas duas categorias de profissionais têm habilidades distintas que podem ser extremamente valiosas no ambiente de trabalho. Veja algumas dicas para identificar se você se encaixa em uma dessas categorias:

Polímata

Algumas dicas para identificar se você é um polímata, veja se você:

  1. Interesse em diversas disciplinas: Você tem paixão por aprender sobre diversos campos, desde ciências e artes até tecnologia e humanidades.
  2. Habilidades em múltiplas áreas: Você não apenas aprende sobre diferentes áreas, mas também desenvolve habilidades práticas nelas. Por exemplo, você pode ser um excelente programador, músico e escritor.
  3. Facilidade em relacionar conhecimentos: Você consegue ver conexões entre diferentes campos de conhecimento e aplicar conceitos de uma área em outra para resolver problemas.
  4. Curiosidade incessante: Você tem uma sede insaciável por conhecimento e está sempre buscando aprender algo novo, seja por meio de cursos, leitura ou experiências práticas.

Nexialista

Veja se você se identifica com estas características:

  1. Capacidade de integração: Você tem facilidade para combinar conhecimentos de diversas disciplinas e criar soluções inovadoras que outros talvez não vejam.
  2. Pensamento sistêmico: Você enxerga o quadro geral e entende como as partes diferentes de um sistema se relacionam e afetam umas às outras.
  3. Habilidade de comunicação: Você é capaz de comunicar ideias complexas de forma clara e eficaz, facilitando a colaboração entre equipes de diferentes especialidades.
  4. Flexibilidade cognitiva: Você é adaptável e capaz de mudar sua abordagem quando necessário, absorvendo e aplicando novos conhecimentos rapidamente.

Faça uma reflexão pessoal

Para avaliar se você se encaixa em uma dessas categorias, considere fazer uma autoavaliação ou pedir feedback de colegas e mentores. Pergunte-se:

  • Quais são minhas áreas de interesse e como me aprofundo nelas?
  • Como eu resolvo problemas complexos no trabalho?
  • Consigo conectar diferentes disciplinas para encontrar soluções inovadoras?
  • Sou reconhecido por minha capacidade de aprender rapidamente e adaptar-me a novas situações?

Identificar-se como polímata ou nexialista pode ajudar a orientar sua carreira e aproveitar melhor suas habilidades únicas.

Ambos os perfis são altamente valorizados no mercado de trabalho atual, que exige cada vez mais versatilidade e inovação.

E você? Conhece alguém com estas características?

Citação a CARVALHO, S. 

Saulo Carvalho é Mestre em Gestão e Planejamento (UNITAU) stricto-sensu. Pós-Graduado em Comunicação e Marketing Empresarial (UMESP) lato-sensu, Graduado em Administração de Marketing (UMESP). Admitido em regime especial ao Doutorado sobre Pesquisa Operacional (ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica e Universidade Federal de São Paulo).

Consultor empresarial com atuações no Brasil e América Latina. Ministra disciplinas de Administração, Marketing, Pesquisa e Planejamento Estratégico aos cursos superiores de Administração, Marketing e Engenharia. É pesquisador sobre Gestão, Marketing e Ambiente Econômico. Desenvolve e aplica pesquisas científicas sobre Gestão e Marketing.

LEIA OS TERMOS DE USO ©

Referências

BARBOSA, Alexandre de Freitas. O Mercado De Trabalho: Uma Perspectiva De Longa Duração. USP. Disponível em https://www.scielo.br/j/ea/a/TF6hhZK3Z6zCbpTDsdD6Sjg/#ModalTutors. Acessado em maio de 2024.

BARBARINI, Tatiana de Andrade Corpos, “mentes”, emoções: uma análise sobre TDAH e socialização infantil. UNIFESP. Disponível em https://www.scielo.br/j/psoc/a/zL8pbhyjQYRW35yzxpLw8dN/#ModalTutors. Acessado em maio de 2024. 

BARKLEY, R. A. (1981). Hyperactive children: a handbook for diagnosis and treatment. New York, NY: The Guilford Press. 

BIEDERMAN J., Newcorn J, Sprich S. Comorbidity of attention deficit hyperactivity disorder with conduct, depressive, anxiety, and other disorders. Am J Psychiatry 1991;148 (5):564-77. 

MARX, K. Formações econômicas pré-capitalistas. 6.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1991. 

ROHDE, Luis Augusto (UFRGS); BARBOSA, Genário (UFPA); TRAMONTINA, Silzá; POLANCZYK, Guilherme (UFRGS). Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Disponível em https://www.scielo.br/j/rbp/a/zsRj5Y4Ddgd4Bd95xBksFmc/#ModalTutors. Acessado em maio de 2024. 

SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Mentes inquietas: entendendo melhor o mundo das pessoas distraídas, impulsivas e hiperativas. São Paulo. Editora Gente, 2003.

Sobre o autor: Mestrado em Gestão e Planejamento | Especialização em Comunicação Empresarial e Marketing. Atuações e consultorias em Gestão e Marketing no Brasil e América Latina.
Siga-me no LinkedIn

 

4 comentários

  1. may parreira disse:

    Muito bom o texto.
    Conheço algumas pessoas que se encaixam nos termos, kkk (eu mesma).
    obrigada por compartilhar.

  2. Viviane Foleis disse:

    Show, como sempre trazendo novos conhecimentos e nos atualizando sobre o mundo corporativo.

    • Obrigado, Viviane! Fico extremamente feliz e honrado com sua leitura! De fato, é importante ao departamento de pessoas de quaisquer empresas, se atentar aos diversos perfis de talentos sem encaixotá-los sob uma persperctiva engessada. E para isso, conhecimento é tudo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: © Conteúdos protegidos legalmente por direitos autorais!! Marca registrada ®.