Quantas versões de um produto os consumidores realmente desejam?

Quantas versões de um produto os consumidores realmente desejam?

produtos variedade iBlueMarketing

Volume 5 Nº 2 (2018) REGEM jul 2018

ISSN 2763-8022 (International Standard Serial Number)


A publicidade pela publicidade está fadada a obter cada vez menos engajamento das pessoas e consequentemente prover cada vez menos resultados em vendas pois o consumidor agora é o superprosumer. É cada vez mais dotado de poderes e de opções de escolha. Não engole mais goela abaixo, ou seja, mesmo suas compras por impulso tendem cada vez mais a obedecer essa nova ordem. O melhor caminho para publicizar produtos e serviços é a EDUCAÇÃO. Um bom exemplo ocorre em um de nossos clientes que é uma média empresa no setor de engenharia: Com estratégia de direcionamento de conteúdos sobre boas práticas de mercado via rede social e nosso sistema de malas diretas monitoradas, e sem investimentos estratosféricos em comunicação, ajudamos a empresa a realizar manutenções fabris, com excelentes possibilidades de fechamento de contrato, em um dos maiores conglomerados industriais do mundo. Mas os resultados não vêm da noite para o dia e sim em médio e longo prazos, quando há consistência e constância na comunicação de conteúdos. Utilizamos malas diretas segmentadas a um público com o qual constantemente conversamos nas redes sociais. Isso mesmo. Utilizamos as redes sociais (e não qualquer rede social) para encontrarmos públicos que estão interessados em ouvir sobre os produtos e serviços de nossos clientes e criamos conteúdos relevantes para esse público. Por isso afirmamos: marketing digital não é nada sem bom conteúdo!

 

Prof. Saulo Carvalho

 

HARVARD: Os consumidores quase sempre dizem aos pesquisadores que preferem ter muitas versões de um produto para escolher. Mas, na verdade, a percepção dos consumidores sobre a quantidade de escolhas possíveis muda conforme suas pretensões: usar um item por diversão ou para atender a uma necessidade funcional. (Pense em um traje de banho como roupa de praia ou para praticar natação.) Para os varejistas, essa diferença tem grandes implicações na questão do sortimento – quantas variações de um único produto deve-se oferecer.

Os consumidores motivados pela diversão acreditam que o que lhes agrada difere muito do que agrada à maioria. Portanto, preferirão uma grande variedade. Porém, quando visam com o mesmo produto atender a uma necessidade, ficam menos inclinados a ver suas preferências como sendo muito diferentes daquelas de outras pessoas. Então, ficarão satisfeitos com uma menor variedade de opções.

Foi o que descobrimos recentemente quando realizamos uma série de seis experimentos nos quais os participantes foram convidados a considerar a escolha de um produto e receberam ou uma motivação focada no lazer ou na necessidade para realizar tal escolha.

Por exemplo, estudantes universitários de administração, em um ambiente de laboratório, foram orientados a escolher uma música para ouvir por prazer antes de estudar. Um outro grupo de participantes foi instruído a selecionar uma música para ouvir e avaliar como parte do estudo. Solicitados a indicar o número exato de opções de músicas que preferiam, os participantes com foco na diversão queriam, em média, considerar mais opções do que os participantes com uma motivação por necessidade. O mesmo resultado se mostrou verdadeiro em experimentos envolvendo livros, CDs, cores de tinta e filmes.

Além disso, quando os participantes da experiência musical receberam o número de opções de sua preferência, não encontramos diferença na satisfação com o tamanho da diversidade entre os dois grupos. Em outras palavras, os participantes com um motivo funcional ficaram tão satisfeitos com uma pequena variedade quanto os indivíduos motivados pela diversão ficaram com um grande sortimento.

Em outro exercício, 286 participantes foram convidados a imaginar que possuíam dois carros: um para dirigir por prazer nos finais de semana e outro para ir diariamente ao trabalho. Foi solicitado a um grupo que escolhesse uma nova cor de tinta para o veículo usado para trabalhar, e a outro, para o veículo de passeio. Ambos os grupos, então, foram questionados sobre até que ponto concordavam com essa afirmação: “Acredito que as minhas preferências por cores são únicas e diferentes das preferências por cores das outras pessoas”. Em seguida, foram solicitados a avaliar, em uma escala de sete pontos, de “sem dificuldade alguma” a “muito difícil”, o quão difícil eles achavam que seria encontrar uma cor que correspondesse às suas preferências. Por fim, perguntaram a eles quantas cores – de uma a 50 – eles gostariam de ver para tomar sua decisão de compra.

Como esperado, os participantes do grupo de carros de passeio queriam, em média, uma variedade maior de cores do que as pessoas do grupo de carros usados para ir ao trabalho. Os participantes do primeiro grupo também perceberam que suas preferências divergiam significativamente em relação às do grupo de carros para o trabalho, e encontraram maior dificuldade em encontrar um produto que correspondesse às suas preferências. Esses resultados indicam que o que direciona a escolha do tamanho da variedade é a singularidade que os consumidores acreditam que suas preferências apresentam em relação às preferências das outras pessoas.

Para os varejistas, entender a dinâmica da diversidade de produtos é fundamental para atrair e manter os clientes. A composição e o tamanho dos sortimentos não afetam apenas a capacidade dos clientes de encontrar um produto de que gostem, mas também influenciam sua decisão de, antes de tudo, visitar uma loja ou um website. Além disso, um grande sortimento de produtos únicos compete com uma variedade maior de produtos em geral por um espaço limitado em lojas e depósitos. Não é de se admirar que os gerentes de varejo trabalhem arduamente para determinar o número ideal de variações de um produto, os gerentes de publicidade gastem tanta energia decidindo quantas variações devem anunciar e os gerentes de categoria de produto tenham dificuldade em decidir o número de variações a serem incluídas.

Há uma série de coisas que os varejistas podem fazer para gerenciar melhor a variedade diante do que direciona a percepção dos consumidores sobre a singularidade de suas preferências. Eles podem avaliar se a compra de um determinado produto está mais fortemente associada ao prazer ou à funcionalidade, enfatizar o que for mais forte entre os dois em publicidade e promoções e gerenciar o sortimento com base nisso.

Eles também devem prestar atenção na proporção em que seus clientes-alvo são motivados pelo prazer ou pela necessidade. Por exemplo, os consumidores em uma área comercial são mais propensos a serem motivados pela necessidade do que os consumidores em uma área residencial, proporcionando à loja a oportunidade de ter sortimentos menores e uma variedade maior de produtos em geral. Lojas localizadas em pontos turísticos e de turismo, onde os consumidores estão mais propensos a buscar lazer, podem oferecer sortimentos maiores de produtos individuais.

Varejistas também podem adotar táticas para fazer os consumidores motivados pela diversão observarem suas semelhanças com outras pessoas e levá-los a preferir diversidades menores. Enfatizar a afiliação dos compradores com um grupo específico em corredores de produtos – por exemplo, “essenciais para estudantes universitários” – é uma maneira de chamar a atenção para semelhanças entre os clientes. Fornecer sortimentos customizados para o cliente, como com algoritmos de recomendação, também pode reduzir os desejos dos consumidores por grandes variedades, reduzindo suas incertezas de se a variedade contém ou não opções correspondentes a seus gostos únicos.

Em um esforço para manter sortimentos melhores e mais eficientes, os varejistas costumam eliminar produtos de baixa venda. No entanto, essa tática pode sair pela culatra. Em 2008, a Walmart cortou 15% de suas Unidades de Manutenção de Estoque, mas rapidamente os consumidores se revoltaram e as vendas reduziram, levando a empresa a reverter a decisão. Cortes uniformes como esse não levam em conta que os consumidores motivados pela diversão sentem que têm preferências únicas, exigindo grandes diversidades, mesmo que algumas variações do produto apresentem baixas vendas.

Diversas pesquisas anteriores se concentraram em como o desejo de exclusividade dos consumidores molda suas escolhas de produtos, com pouca atenção à sua escolha inicial de tamanho da diversidade. Nossos resultados indicam que a motivação de compra afeta o quão únicas os consumidores acreditam que suas preferências são ao realizar uma compra específica. Isso, por sua vez, influencia o grau de dificuldade que eles esperam ter para encontrar um produto que se alinhe com suas preferências e o número de opções que desejam avaliar. Para os varejistas, concentrar-se primeiramente na exclusividade do produto, antes de observar se os consumidores acreditam que têm preferências exclusivas de produto, é colocar a carroça na frente dos bois.

Fonte: http://hbrbr.uol.com.br/produto-variedade/

 

Citação a CARVALHO, Saulo Henrique.

Professor Saulo Carvalho é Consultor nacional e internacional de empresas. Mestrado em Gestão e pós-graduado em comunicação e marketing. Ministra disciplinas de Administração, Marketing e Planejamento Estratégico aos cursos superiores de Administração, Marketing e Engenharia do centro universitário ETEP. Lattes CNPq: http://lattes.cnpq.br/4888421957045803

LEIA OS TERMOS DE USO ©


 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1
Consultor online
Acesse o Chat para ser atendido! Como podemos ajudar sua empresa ou negócio? (s)